Advertências tykerb

TYKERB com posologia, indicações, efeitos colaterais, interações e outras informações. Todas as informações contidas na bula de TYKERB têm a intenção de informar e educar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um profissional médico ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Decisões relacionadas a tratamento de pacientes com TYKERB devem ser tomadas por profissionais autorizados, considerando as características de cada paciente.



Tykerb foi associado a relatos de redução da fração de ejeção do ventrículo esquerdo (FEVE) (veja Reações Adversas). Dessa forma, este medicamento deve ser administrado com cautela em pacientes com condições clínicas que possam prejudicar a função do ventrículo esquerdo. A FEVE deve ser avaliada em todos os pacientes antes de iniciar o tratamento com Tykerb, para assegurar que a fração basal esteja dentro dos limites normais. A FEVE deve ser continuamente avaliada durante o tratamento com Tykerb para assegurar que ela não caia a um nível inaceitável (veja Posologia – Atraso e Redução de Dose – Reações Cardíacas; e Estudos Clínicos). Tykerb foi associado com relatos de doença pulmonar intersticial e pneumonite (veja Reações Adversas). Os pacientes devem ser monitorizados para detecção de sintomas pulmonares indicativos de doença pulmonar intersticial/pneumonite (veja Posologia). Ocorreu hepatotoxicidade com o uso do lapatinibe, mas raramente de natureza grave. A função hepática (transaminases, bilirrubina e fosfatase alcalina) deve ser monitorizada antes do início do tratamento e mensalmente a partir de então, ou quando houver indicação clínica. O uso do lapatinibe deve ser suspenso caso as alterações de função hepática sejam graves, e os pacientes não devem voltar a receber esse tratamento. Também há relatos de hepatotoxicidade decorrente do uso de outros inibidores da tirosina kinase. Recomenda-se o máximo cuidado ao prescrever Tykerb a pacientes com disfunção hepática moderada ou grave (veja Posologia e Farmacocinética – Populações Especiais). O uso de Tykerb tem sido associado a diarréia, às vezes intensa (veja Reações Adversas). O tratamento proativo dessa reação com substâncias antidiarréicas é importante. Quadros mais intensos de diarréia podem exigir a administração oral ou intravenosa de fluidos e eletrólitos, além da suspensão ou interrupção da terapia com Tykerb (veja Posologia – Atraso e Redução de dose – Outras Toxicidades). O tratamento concomitante com inibidores ou indutores de CYP3A4 deve ser conduzido com cautela, devido ao risco de aumento, no caso dos inibidores, ou de redução, no caso dos indutores, da exposição ao lapatinibe (veja Interações Medicamentosas). A co-administração do lapatinibe com medicações com estreita janela terapêutica e que são substratos de CYP3A4 ou CYP2C8 deve ser evitada (veja Interações Medicamentosas).